07.03.16 | Escrito por: O Bom de Viajar

Donas da mala, donas do mundo

O Bom de Viajar celebra o Dia Internacional da Mulher

Donas da mala, donas do mundo

 

Garotas viajadas, corajosas, desbravadoras, donas da mala, donas do mundo.

 

 

Elas viajam sozinhas, são independentes, empreendedoras, valentes…

 

 

Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, O Bom de Viajar presta homenagem a todas essas viajantes incríveis!

 

 

Donas da mala, donas do mundo

 

O Bom de Viajar é ser independente, desbravadora e viajada. Parabéns pelo seu dia, Mulheres!

 

 

Todo mês de março fica mais iluminado com o Dia Internacional da Mulher, comemorado sempre no dia 8 😀

 

 

E para celebrar essa data muito especial, convidamos uma garota bacana, destemida, que vive com a mochila nas costas e com CEP provisório, pra contar um pouquinho sobre o seu dia a dia. S2

 

 

Uma super mulher, que fez da paixão pela estrada sua profissão. Com vocês, Rapha Aretakis ou, simplesmente, Raphanomundo.

 

 

“Viajar é um privilégio e uma necessidade, por isso fiz das viagens o meu trabalho”.

 

 

– O Bom de Viajar: Rapha, conta pra gente, o que você fazia antes do projeto Raphanomundo?

 

– Rapha: Esse ano faz 10 anos que me formei em publicidade, curso onde ganhei prêmios nacionais e internacionais e de fundamental importância para o desenvolvimento do meu trabalho atual. Durante 5 anos trabalhei como Diretora de Arte, curiosamente, em 2016, ao completar 6 anos de trabalho com o raphanomundo, já acumulo mais tempo exercendo esse projeto que não é mais paralelo.

 

 

– Bomde: Como e quando você decidiu fazer desse privilégio seu negócio/profissão?

 

– Rapha: O Raphanomundo começou em 2010, quando fui morar na Alemanha. Resolvi mostrar para minha família e amigos como seriam as coisas por lá. Pode ser difícil de acreditar, mas naquele ano ainda não era todo mundo que botava o pé na estrada – e usava a internet para compartilhar isso. Estava ficando mais fácil, mas ainda não era todo mundo.

 

Com o passar o tempo, como boa diretora de arte, resolvi criar uma identidade para a minha “brincadeira”, e logo ele tomou uma cara mais profissional. Antes de completar o seu primeiro ano, o blog recebeu sua primeira proposta comercial – parceria que dura até hoje –, acho que a partir daí, o projeto já não poderia ser encarado com amadorismo. Viajar, para garantir um conteúdo autoral e de qualidade, virou consequência.

 

 

– Bomde: E quais as suas dicas para as meninas que sonham em colocar o pé na estrada, como você?

 

– Rapha: Eu diria para elas não terem medo. Jamais, em hipótese alguma, confundam o frio na barriga com medo. Esse friozinho que toma conta da gente é uma reação ao desconhecido, mas uma vez que as velas forem içadas, a aventura é excitante. Se joguem!

 

 

– Bomde: Você está na estrada há 6 anos, neste período, qual viagem foi mais surpreendente?

 

– Rapha: Profissionalmente, estou na estrada há 6 anos. Mas como viajante, da vida, estou na estrada desde 1983. Sou filha de pais aventureiros, pouco acomodados, viajar é um dos grandes hobbies da família. Essa pergunta sempre é complicada de responder, porque eu sou daquelas que se surpreende com cada destino. A gente nunca volta o mesmo de uma viagem, seja ela uma escapada de fim de semana para o interior, seja uma volta ao mundo. O importante é se permitir surpreender com o novo. Mas, se fosse obrigada a escolher um destino, apontaria a Costa Rica como um lugar arrebatador, por sua simplicidade e natureza.

 

 

Donas da mala, donas do mundo

 

– Bomde: E pra você, quais as vantagens e desvantagens de ser uma mulher viajante?

 

– Rapha: Mulher tem que ser corajosa, não só para viajar, mas para viver mesmo. No entanto, só consigo enxergar vantagens na vida de uma mulher que tem a oportunidade de poder viajar. Acredito que uma mulher viajante, sabendo do privilégio que é ter seus horizontes expandidos, tem um repertório de vida mais interessante. Se tornar alguém que as pessoas querem ter por perto, quase como sendo os olhos e ouvidos no mundo daqueles que não tiveram a mesma sorte/oportunidade.

 

 

– Bomde: Qual é a melhor coisa de fazer da viagem profissão? E a pior?

 

– Rapha: A melhor coisa é ter o mundo como seu escritório. É de uma liberdade sem igual. A “pior” é que às vezes, na correria, não dá para aproveitar o destino como a gente queria. Mas se tem uma coisa que a gente gosta é de motivo pra voltar. Então sigo colecionando razões para revisitar lugares.

 

 

– Bomde: Já passou por muito perrengue?

 

– Rapha: Vamos combinar que viagem sem perrengue não é viagem, né? Desde pequena tenho um espacinho para os perrengues na bagagem. Os perrengues vão desde coisa boba, como chegar num destino sem reserva de hotel e levar umas 8h para descolar um quarto meia boca. Ou dormir em aeroporto pra dar aquela economizada no budget. Quem nunca? Passando até por coisas mais sérias como ser furtado, levar um tombo e ter que parar no pronto socorro numa cidade com zero estrutura, o trem quebrar e você se pegar no meio do nada sem entender uma palavra do idioma local… Perrengue é aprendizado, raramente se repete, mas eles se reinventam que é uma beleza.

 

 

– Bomde: Um sonho de viagem (mesmo que você não tenha feito… ainda)?

 

– Rapha: No topo da minha lista está a Grécia, terra do meu bisavô, e que ainda não tive a oportunidade de ir. Acredito que desse ano não passa, aí vai ser a hora de sonhar outro sonho.

 

 

– Bomde: E quais suas metas, planos e expectativas para o blog?

 

– Rapha: Trabalhar com internet é ter que se reinventar, pois as pessoas cansam dos formatos, das piadas, da mesmice. Manter um projeto de qualidade por 6 anos não é fácil, em termos de internet, então, esse tempo é quase como se a gente contasse em anos caninos! A meta é sempre se reinventar, mas manter a qualidade do conteúdo compartilhado. A expectativa, claro, é trazer novos destinos, apontar novidades e fazer com que mais gente sonhe, planeje e realize.

 

 

– Bomde: Pra você, viajar é?

 

– Rapha: Ter a oportunidade de se despir de preconceitos, de se colocar no lugar do outro. Viajar é se renovar.

 

 

Levanta a mão quem ficou apaixonado por essa mulher maravilha?!

 

Pra saber mais sobre a Rapha e esse projeto incrível, você pode conferir o Site, Instagram e Facebook dela.

 

 

Nosso recado, depois dessas palavras incríveis da Rapha é: mulheres, vão! Viagem, curtam, vivam e aproveitem!

 

 

Sabemos que, infelizmente, o mundo não é um lugar totalmente seguro, e quem viaja, meninas ou meninos, devem ter alguns cuidados, conforme o tipo de trip e destino escolhidos. Apoiamos todas as garotas, que como a Rapha, querem viajar sozinhas. Viagens são experiências únicas e todas têm esse direito! #viajosozinha 

 

 

O mundo precisa de vocês. <3

 

Donas da mala, donas do mundo