22.06.16 | Escrito por: O Bom de Viajar

Que tipo de mala você é? Por Ana Carolina Fusquine

Executiva conta os segredos para conciliar viagens de negócios com lazer

Que tipo de mala você é - por Ana Carolina Fusquine

 

Um dia em São Paulo, no outro em Porto Alegre. Uma hora em Nova Iorque, outra no Rio de Janeiro. Fazer check-in em diferentes destinos é rotina e o saguão do aeroporto é praticamente a segunda casa pra muita gente.

 

Ser executivo de grandes empresas exige, entre muitas coisas, saber conciliar a correria das viagens de negócios com as necessidades da vida particular. Ter um ritmo pautado por reuniões, corridas de táxi e milhagens pode ser bem cansativo, mas igualmente prazeroso.

 

Está se identificando? Isso acontece com você? 🙂

 

O Que Tipo de Mala Você É achou um tempinho na busy agenda da Ana Carolina Fusquine, uma super mulher de negócios, para saber suas dicas para quem, assim como ela, vive com o pé na estrada, mas não abre mão de qualidade de vida.

 

Que tipo de mala você é - por Ana Carolina Fusquine

 

Viagens de negócios + lazer é a mala da vez

 

 

Conseguir tempo para conciliar trabalho, visita aos clientes, idas e vindas em destinos diferentes com: corrida, bike, roller, Stand Up Paddle, namorado, amigos e família não deve ser tarefa muito simples. Mas ela faz isso com maestria. <3

 

Ana Carolina é Vice Presidente de Mercado na Pmweb (empresa de data driven marketing, que oferece serviços para negócios online) e faz tudo isso.

 

Ter um dia a dia que permite estar em novas cidades, estados ou mesmo países distintos, várias vezes no ano, deve ser uma maravilha, mas também uma loucura. Agora, queremos saber como fazer. Ana, conta os segredos pra gente!

 

Que tipo de mala você é - por Ana Carolina Fusquine

 

 

– O Bom de Viajar: Ana, o primeiro desafio deve ser a organização da mala pra viagem, certo? Como é a bagagem de quem sempre está em reuniões em diferentes lugares e destinos? Quais itens não podem faltar? Cada destino exige uma mala diferente?

 

– Ana Carolina: Todo desafio para fazer a mala certa passa por organização – desde saber qual a previsão do tempo no destino a organizar mentalmente os looks do dia. A bagagem tem que ser prática, com peças que se use em mais de um dia: calça escura, vestido liso (mudar apenas os acessórios e casaco), sapato que combine com todas as opções (se for de salto, já usar no avião). No verão, apostar em vestidos e nos dias de aeroportos sempre apostar em calça, assim se protege do ar-condicionado no avião e ainda não ocupa espaço na mala. Outro item coringa é uma sapatilha ou sapato sem salto (que depende da estação). Você não pode ficar refém de cada destino quando viaja para reuniões, pois o que muda mesmo é a temperatura e a formalidade. Vestidos estampados e mais claros são opções em destinos de temperaturas mais altas e, consequentemente, menos formais. Não pode faltar roupa de corrida e tênis (o arrependimento, quando não levo, é sempre muito maior).

 

 

– Bomde: Como faz para manter um lifestyle saudável na estrada? Qual é o segredo?

 

– Ana: O segredo é se beneficiar das mordomias da estrada… Se é que podemos considerar dessa forma, e fazer as escolhas certas. Não pode se jogar nas mil opções de bolos, doces e pães de um café da manhã de hotel. A mordomia é ter frutinhas cortadas, queijo branco fresco, tapioca e quem sabe os ovos mexidos para segurar ainda mais a fome de um dia que não sabemos quando será a próxima refeição. O pão de queijo é sempre bem-vindo para não deixar a fome atacar com força.

 

 

– Bomde: Em que momento, durante a viagem, é possível fazer atividades físicas? Sempre dá?

 

– Ana: Sempre dá! É uma questão de organização. Eu funciono melhor de manhã, então, prefiro acordar no mínimo 1h mais cedo do que acordaria para os compromissos de trabalho. Já faz algum tempo que minha escolha de atividade física é a corrida, pela autonomia e desconexão imediata que ela proporciona. E conhecer determinados destinos, correndo, é muito mais interessante. Se você chegou ao destino direto para uma reunião, quando terminar os compromissos, não deixe de relaxar dando uma caminhada no calçadão, na praia (quando possível) ou então na academia do hotel, que está sempre ali.

 

 

– Bomde: Você curte bike, roller… É tranquilo levar algum tipo de equipamento na bagagem? Qual a dica?

 

– Ana: Curto mesmo! É tranquilo levar o roller como bagagem de mão. Então, dá para colocar tudo na mochila do roller + a bolsa executiva e tudo certo. Se eu tiver que abrir mão de algumas roupas por conta do roller, eu prefiro. A dica é saber se o destino é propício para andar de roller e bike, ver se a pista ou calçadão fica próximo ao hotel e, por fim, organizar a mochila. Quando escolho por essa opção (de levar o roller) eu não levo o tênis, assim já fica mais viável colocar apenas roupas e necessaire. E a bike, o lance é baixar o aplicativo do Itaú Bike e usar por 1h. Pronto! Tá feito o aproveitamento da viagem.

 

 

– Bomde: Quais os destinos mais legais ou favoráveis para unir lazer com business?

 

– Ana: Sem precisar pensar muito: o Rio. Também são ideais todos os destinos de praia. Mas em São Paulo, por exemplo, sempre tem um parque por perto. Alguns lugares eu só conheci correndo ou andando de bike, pois fico durante o dia todo em sala de reuniões. Ou seja, se perder em algumas ruas da cidade vale muito a pena (claro que em segurança).

 

 

– Bomde: Quais as vantagens ou a melhor coisa de estar sempre viajando? E o que não é tão legal assim?

 

– Ana: O mais legal é não ter rotina. Além disso, é incrível ver as diferenças desse nosso país, as peculiaridades das regiões e pessoas. O que não é tão legal assim é fazer mala, esperar no aeroporto, ficar preso na cidade (por falta de opção de voo), mesmo quando você fica liberada de uma reunião e só pensa em voltar para casa. Ah, e muuuuuitas vezes não estar nos aniversários e encontros de amigos e familiares por estar viajando. A velha máxima: é bom viajar, mas melhor ainda é voltar para casa.

 

 

– Bomde: Das idas e vindas, uma boa lembrança…

 

– Ana: Os amigos que fazemos, os lugares que conhecemos e a natureza que se revela diferente a cada amanhecer, pôr do sol, temporal na estrada (ou no avião).

 

 

– Bomde: E pra finalizar, #obomdeviajar é?

 

– Ana: É se encontrar consigo mesmo, é desconectar, é uma corridinha depois da reunião, é um chope com o namorado para comemorar o final de semana, é andar de roller no pôr do sol (onde quer que seja), é o gostinho de fechar um negócio, é o conhecimento que se adquire, é você voltar diferente sempre. <3

 

Com essas dicas da Ana, acabaram as desculpas para não manter a vida saudável na estrada, né? 🙂

 

Que tipo de mala você é - por Ana Carolina Fusquine