12.06.17 | Escrito por: O Bom de Viajar

De Carona com o Bomde – Japão

Um roteiro pra curtir dias incríveis na Terra do Sol Nascente

Nosso próximo destino é um lugar mágico, místico e super high-tech.

 

Um lugar que faz qualquer um que o visite se conectar rapidamente (e naturalmente) com o que há de mais moderno e tecnológico no mundo, ao mesmo tempo em que nos apresenta e vive costumes e tradições milenares.

 

Próxima parada: Japão.

 

Pegamos carona (e dessa vez de trem-bala) com a viajante amiga do Bomde Ariana Apolinário, carioca, jornalista e do tipo “vamos? vamos!”. O Japão era um lugar que ela tinha muita curiosidade de conhecer, no entanto, sempre achou muito caro ir pra lá. Ter conseguido uma promoção na passagem foi o empurrãozinho que faltava para realizar essa trip. Ela estava de férias e abraçou esse sonho de conhecer o outro lado do mundo.

 

A viagem entre o passado e o futuro num piscar de olhos vai começar.

 

Vem com a gente!

 

De Carona com o Bomde – Japão

 

Bem-vindos à Terra do Sol Nascente: um encontro com passado e o futuro numa só trip pelo Japão

 

 

Templos, gueixas, misticismo, trens-bala, prédios ultramodernos e serviços automatizados são algumas das muitas maravilhas que o lifestyle japonês tem a oferecer. Lá o futuro encontra o passado sem nenhum problema.

 

Atravessamos o globo e pegamos carona com a Ariana e a Carol Felix, que escolheram a frenética e super megalópole Tóquio e a mística e tranquila Quioto como destino para carimbar esses dias inesquecíveis. 

 

Não dá pra perder essa chance, né? Bora lá!

 

Com a palavra, nossa viajante!

 

E tudo começou…

 

A nossa trip de férias no Japão durou um total de 13 dias.

 

Dividimos a viagem em dois momentos: curtir tudo de mais moderno na intensa Tóquio, além de mergulhar em costumes genuinamente japoneses em Quioto, uma das cidades mais antigas e que também já foi capital do país.

 

 

Japan Rail Pass
Esperando para pegar o Japan Rail Pass

 

Nishiki-Market
Nishiki-Market

Quioto

 

Chegamos ao Aeroporto Internacional de Narita (cidade na província de Chiba) e pegamos um trem para Quioto utilizando o Japan Rail Pass que é um passe, tipo um vale transporte, da empresa Japan Railways (JR), que possui uma rede ferroviária de 27 mil km por todo o país.

 

Aí vai a primeira dica: a boa notícia é que nós compramos o passe pela internet antes da viagem, ainda no Brasil, e só precisamos retirá-lo na agência dentro do aeroporto mesmo. É prático, eficiente e útil pra quem não fala japonês. Super indicamos!

 

Ah, mas numa viagem dessas é bom se virar no inglês, ok? 😀  Os japoneses são conhecidos por sua cordialidade e educação, então se precisar de alguma info, eles vão ajudar.

 

Outra dica bacana, caso você não domine o idioma local: alugue um modem Wi-Fi ainda no aeroporto. Com ele sobrevivemos os 13 dias por lá sem perrengues de comunicação.

 

 

 

Jardim Nacional Kyoto Gyoen
Jardim Nacional Kyoto Gyoen
Nishiki Market
Docinhos no Nishiki Market

 

 

Tanto em Quioto quanto em Tóquio optamos ficar hospedadas em apartamentos de moradores via Airbnb. Na primeira parada, o dono do apê fez um super roteiro e identificou todo o caminho no mapa. Demais, né?

 

Bora turistar!

 

 

Restaurante Esteira
Restaurante Esteira na Estação de Quioto

Na primeira noite em Quioto, optamos por jantar em um restaurante esteira que ficava dentro da estação de trem. Para, peraí, do que vocês estão falando? Explicamos… Restaurante esteira é muito comum e um jeito mais econômico de fazer refeições por lá. Basicamente, você senta e os pratos que acabaram de ser preparados ficam passando numa esteira. O valor é definido pela cor do prato.

 

No balcão é possível servir o seu próprio chá verde, sem adicional cobrado. Tem a erva e uma torneira com água quente. Entre um prato e outro, eles colocam o nome da peça em inglês e japonês, é claro. Ah, a raiz forte já vem na peça, ou seja, o chef que coloca a quantidade que ele julga suficiente para temperar o peixe.

 

 

1º Dia

 

Nossa primeira parada turística foi no Toji-Temple, o templo de madeira mais alto de Quioto, com 5 andares, ou melhor, pagoda ou pagode, como eles dizem por lá. É realmente impressionante!

 

Depois, seguimos para o Quioto Imperial Palace (antigo Palácio Imperial do Japão durante o Período Edo – 1603 a 1868). Além de alguns templos, os jardins também dão o tom colorido ao lugar.

 

E quando bateu a fome, escolhemos almoçar lamen num lugar clássico entre os japoneses: o Mercado Central, ou melhor, Nishiki Market. Peixes, frutos do mar, ervas e produtos que nem conseguimos identificar direito são vendidos ali. Almoço resolvido, a dica é caminhar pelo mercado e experimentar o famoso bolo de feijão.

 

 

Templo

Templo próximo ao Toji-Temple

Nishiki Market

Nishiki Market

Pontocho

Pontocho

 

 

 

Não gostei muito da versão doce do bolo de feijão, mas acho que vale arriscar

 

 

Mais tarde, em Pontocho (uma ruela super conhecida em Quioto com restaurantes e outras atrações), vimos nossa primeira gueixa em uma das vielas. Foi emocionante!

 

 

2º Dia

 

Nosso segundo dia nos dedicamos a visitar templos e mais templos, um jardim incrível e o famoso e espetacular bosque de Bambu. O lugar é lindo e sempre muito cheio de japoneses.

 

Saindo de lá, fomos para o templo budista Kinkaku-ji – o Templo de Ouro. O templo é rodeado pelo lago Kyōko-chi e um lindo jardim. Não é permitido entrar, e nem precisa: só de ficar do lado de fora admirando, já vale o passeio.

 

Descobrimos em uma das vielas de Nakagyo um bar muito peculiar. Um lugar sem turistas, cardápios com fotos reveladas e paredes, inclusive dos banheiros, pichados. Incrível! Vimos na internet que o distrito era um verdadeiro mergulho cultural e a internet acertou! Foi a maior descoberta do dia!

 

PS: não sabemos o nome do bar por questões de não entender Hiragana (ひらがな), Katakana (カタカナ) ou Kanji (alfabeto e escrita japonesa).

 

 

3º Dia

 

Fomos visitar o Ginkaku-Ji – o templo do Pavilhão de Prata, um dos subtemplos do templo principal Shokoku-ji. Outra imponente construção histórica, carregada de misticismo. O passeio teve direito a sorvete de Matcha (chá verde) no caminho. Delícia!

 

No mesmo dia ainda conhecemos: o maior tori (pórtico de pedra que parece um portal) do mundo, o grande Buda, e o Templo Kiyomizu-dera (vale a pena curtir o pôr do sol lá de cima), patrimônio mundial pela Unesco.

 

Outra dica: na volta do passeio, não deixe de explorar as vielas da região. 😉

 

Bosque de Bambus (Arashiyama)
Bosque de Bambus (Arashiyama)

 

Ginkaku-Ji – o templo do Pavilhão de Prata
Ginkaku-Ji – O templo do Pavilhão de Prata
Kinkaku-ji – o Templo de Ouro
Kinkaku-ji – O Templo de Ouro

 

Torii
Fushimi Inari Shrine

 

Grande Buda e Kiyomizu-Dera Temple
Grande Buda e Kiyomizu-Dera Temple

 

 

4º Dia

 

No último dia em Quioto, fomos ao belíssimo Santuário Fushimi, aquele com milhares de toris (aliás, um túnel deles) e um dos mais importantes do Japão.

 

De lá, pegamos o trem-bala e fomos conhecer Nara, a cidade dos cervos. Lá a Ariana resolveu experimentar, em uma das feiras de rua o Takoyaki, um bolinho de polvo.

 

 

Achei a textura bem estranha, parece uma panqueca crua. Não deu pra mim, não.

 

 

(arrependida :P). Quem sabe vocês gostem? Vale tentar.

 

Na volta para o apartamento, resolvemos conhecer o cardápio do velho conhecido Mc Donald’s. Do outro lado do mundo, fiquei surpresa com o adicional de sorvete ao refrigerante de maçã verde e o milho como acompanhamento ao hambúrguer.

 

E assim terminou a nossa primeira parte da viagem, em Quioto. \o/

 

 

Santuário Fushimi
Santuário Fushimi
Nara (a cidade dos Cervos)
Nara (a cidade dos Cervos)

 

Tōdai-ji
Tōdai-ji
Mc Donald’s
Sorvete de maçã verde do Mc Donald’s

 

 

 

Tóquio, lá vamos nós!

 

Nosso apartamento em Tóquio era muito pequeno (falta de espaço é um problema comum na cidade, afinal são 14 mil habitantes por quilômetro quadrado).

 

O que não tínhamos de espaço, ganhamos em localização: ficamos a 5 minutos do cruzamento mais movimentado do mundo, o Shibuya Crossing.

 

Na primeira noite, aproveitamos o nosso CEP local para circular pelas ruas super agitadas próximas ao nosso apartamento.

 

 

 

Hachiko
Estátua do cachorro Hachiko

1º Dia

 

Nossa primeira parada foi no Café Excelsior (tipo esses cafés de filme americano), que fica próximo ao metrô de Shibuya. No cardápio, opções como muffins, sanduíches, cafés e saladas pra começar o dia bem disposto.

 

Pós café da manhã, fomos caminhando até a estátua do famoso Hachiko (aquele cãozinho que fez todo mundo chorar ao ficar anos esperando o seu dono numa estação de trem, história contada no filme ‘Sempre ao seu lado’, com o ator Richard Gere).

 

 

Dali, seguimos para a Avenida Omotesando (algo parecido com a Champs-Élysées de Paris). Os modernos edifícios abrigam lojas de luxo como Prada, Louis Vuitton e Dior. Ah, vale parar na loja Yoku Moku e experimentar um dos melhores chocolates da sua vida. 😀

 

Hora do almoço. Caminhamos até Akasaka e almoçamos no Tokyo Midtown – um restaurante que serve a típica comida japonesa, dessas feitas em casa à noite, com a família toda reunida à mesa. Uma maravilha!

 

Pós-almoço, mais caminhada. Depois de andarmos pelas ruas Roppongi e Ginza, terminamos a noite assistindo a um tradicional espetáculo japonês no teatro Kabuki-za. Infelizmente, a gente não pode tirar foto, mas ó: vale a visita.

 

 

Chocolate com matcha
Chocolate com matcha
Almoço
Almoço no Tokyo Midtown

 

Torre de Tóquio
Vista para a Torre de Tóquio
Teatro Kabuki-za
Teatro Kabuki-za

 

 

 

2º Dia

 

Começamos o dia morrendo de amores pelos pequenos japoneses no Yoyogi Park. No fim de semana, é comum crianças vestidas de quimonos brincando no parque. Uma fofura! ❤

 

Depois, seguimos para a Akihabara, o paraíso dos eletrônicos no Japão. Impossível não colocar um tour hi-tech no roteiro, né? 😉

 

3º Dia

 

O terceiro dia começou em um dos parques mais antigos de Tóquio, o Ueno Parque. Além da enorme área verde, o local abriga museus, templos e um zoológico. Programamos passar apenas duas horas por lá e, infelizmente, não conseguimos conhecer tudo. Mais um motivo pra voltarmos!

 

Próxima parada: Asakusa. Lá conhecemos a principal atração do bairro, o templo Sensoji, e comemos um prato muito popular no Japão, o Tonkatsu. A porção servida é essa da foto, mas o repolho era à vontade. Você pode pedir mais e mais, mas ficamos só com a quantidade do prato mesmo. 🙂

 

Depois, seguimos para conhecer a enorme Tokyo Skytree, com seus 634 metros de altura. Durante a visita, é possível chegar aos 450m, no 2º observatório. A vista é realmente incrível!

 

4º Dia

 

O dia começou bem cedo e com uma esperança: conseguir ver o Monte Fuji. Chegamos em Hakone (um dos lugares que é possível avistar o Monte) e compramos o Hakone Free Pass. O pass permite o uso de TODOS os meios de transporte (trem, teleférico, ônibus e barco) na região dos vales fumegantes e um dos pontos turísticos mais populares do interior do Japão. Mesmo com algumas nuvens no céu, foi possível ver (do teleférico) o Fuji-san (nome japonês do monte). Missão cumprida!

 

O passeio no barco ‘pirata’ e a visita aoMuseu Hakone Open Air também entram na lista de passeios imperdíveis.

Akihabara
Akihabara

 

Templo Sensoji
Asakusa – Templo Sensoji

 

Tokyo Skytree
Um café na Tokyo Skytree

 

Tonkatsu
Prato super popular, o Tonkatsu



 

Ueno Parque

Ueno Parque

Monte Fuji

Monte Fuji

Museu Hakone Open Air

Museu Hakone Open Air

 

 

 

5º Dia

 

Dia de Harajuku, no bairro de Shibuya. Andamos pela Rua Takeshita, repleta de butiques de moda, cafés e restaurantes. Nas lojas, aproveitamos para comprar lembrancinhas ou só dar uma olhadinha mesmo. Pikachu foi o personagem que mais vimos, mas tem para todos os gostos: bonecos do Jackie Chan, Cavaleiros do Zodíaco e por aí vai. Ah, no fim perdemos alguns ienes nas lojas de games e fliperama. 😀

 

 

6º Dia

 

Último dia. O Mercado de Peixe Tsukiji estava na lista, claro.

 

Dicas valiosas e uma cultura riquíssima pra explorar. Ficou empolgado? Nós também! 

 

 

Games
Dia de games \o/

 

Cerveja Kirin
Cerveja Kirin
Shibuya
Shibuya a noite

 

Mercado Tsukiji
Mercado Tsukiji

 

 

Que tal incluir mais esses destinos na sua lista de viagens, hein? Apoiamos!

 

Até o próximo De Carona. 😉

Tags

#decarona#pelomundo#roteiro

Posts relacionados