20.07.18 | Escrito por: O Bom de Viajar

De Carona com o Bomde – Santiago

Uma trip inesquecível para a terra das Cordilheiras

Picos nevados, deserto do Atacama, gastronomia deliciosa, povo acolhedor e, ainda por cima, bem pertinho da gente: partiu Chile? Moderno, organizado e cheio de belezas naturais, esse destino precisa entrar na sua wishlist de viagens JÁ!

 

 

O Will Mattos, amigo querido de longa data aqui do O Bom de Viajar, sempre quis visitar esse país tão encantador (mais especificamente a capital, Santiago). Quando sua agenda coincidiu com a do Felipe, seu namorado, não deu outra: a tão sonhada viagem aconteceu!

 

 

 

Um roteiro de viagem pelo Chile é tudo que você precisa para a sua próxima trip!

 

 

Quer saber o que fazer em Santiago, no Chile? Quem vai contar tudo pra gente a partir de agora é o Will. 😉

 

Há tempos eu queria fazer uma trip para o Chile, especificamente Santiago: conhecer a cidade do escritor Pablo Neruda, ver os Andes de pertinho e mergulhar na gastronomia pelos diversos estabelecimentos e vinícolas que rodeiam a capital. Um feriadão, boa companhia e uma passagem de avião barata. Chi-Chi-Chi-Le-Le-Le, Viva Chile! Que lugar lindo e incrível. Foram 4 dias na capital chilena, e confesso que não foi nada fácil montar um roteiro pelas principais atrações sem deixar algo de fora. É preciso voltar!

 

 

Cordilheira dos Andes

A emoção já começa no voo: sobrevoar a Cordilheira dos Andes é uma experiência incrível e única! A paisagem deixa os passageiros encantados e você pode tirar lindas fotos pelas janelas do avião. Os ventos fortes e as altas montanhas da região podem causar turbulências, mas, tranquilo, o frio na barriga só aumenta a emoção.

 

 

Eu viajei para Santiago em abril de 2018, em um voo direto da Avianca Brasil. A viagem foi bem confortável e tranquila. A companhia tem um ótimo espaço entre as poltronas e bastante opção no entretenimento de bordo, o que faz o tempo de voo parecer passar mais rápido! As comidas estavam deliciosas e a refeição era completa – com pão, salada, prato principal e sobremesa, além das bebidas que incluíam refrigerantes, sucos, água, vinhos e cervejas.


Descobri que a diferença de preço entre a econômica e a executiva não é grande nessa rota. Vale ver se esse upgrade não cabe no seu bolso!

 

Outro aspecto bacana de viajar para Santiago é que a cidade está em uma região privilegiada, que permite conhecer também Buenos Aires e Montevidéu, se você tiver tempo. Optamos em viajar pela manhã para chegarmos no início da tarde, fazer check-in no hotel e curtir metade do dia turistando pela cidade. Há voos no comecinho da manhã e no início da noite também. Vai da sua preferência e disponibilidade. O trecho costuma ser rápido: são em média 3h30 de viagem se você pegar um dos voos diretos, como os da Avianca Brasil, saindo de São Paulo.

 

 

 

O período no qual você vai viajar depende muito de que tipo de passeio você gostaria de fazer. O Will viajou em abril, uma época em que já começou a esfriar, mas ainda está agradável para passeios ao ar livre. Agora, se você quiser ver neve e admirar as montanhas geladas, o ideal é viajar entre junho e setembro. 😉

 

 

DIA 1

 

 

Optamos em viajar pela manhã para chegarmos no início da tarde, fazer check-in e curtir metade do dia turistando pela cidade. Não houve atraso no voo, e o trecho costuma ser rápido: são em média 3h30 de viagem se você pegar um dos voos diretos, como os da Avianca, saindo de São Paulo ou Rio.

 

 

O Uber não está totalmente legalizado no Chile, mas o app em Santiago funciona muito bem e recomendo utilizar. Se tiver em duas pessoas, é melhor que uma sente na frente (em função da resistência dos taxistas em relação ao app). As principais vantagens são a segurança, uma vez que o pagamento é realizado diretamente no cartão de crédito, e o preço é justo.

 

 

Na minha opinião existem dois tipos de pessoas opções de bairro: Bella Vista e Centro para quem curte um agito e ficar perto de tudo, e Providência e Los Condes para quem quer ficar na área mais nobre de Santiago. Eu fiquei no agito da Called San Isidro, que fica bem no centro e perto do metrô.

 

 

 

Nosso primeiro compromisso foi gastronômico. Quando estávamos pesquisando e montando nosso roteiro, conhecemos o restaurante Mestizo, e não houve sombra de dúvidas que queríamos incluí-lo em nossa lista. É um lugar super bacana para almoçar e ser apreciado à luz do dia. A dica é fazer reserva, pois ele é bem procurado. Depois de comer, você pode caminhar e aproveitar a  imensa área verde do parque, um local de concertos ao ar livre, playground infantil, espreguiçadeiras, lagos com flamingos e cisnes, tendo como plano de fundo a Cordilheira dos Andes.

 

 

 

Outro restaurante charmoso que vale a pena visitar é o Le Jardín. Criado a partir de um local abandonado, o restaurante tem uma vibe bem rústica e reciclada em sua decoração. A grama e as flores por todos os lados fazem jus ao nome do local, além de deixar tudo mais bonito! 🙂

 

 

Enquanto aproveitávamos o parque, a ficha caiu: precisávamos trocar o nosso dinheiro! O lugar mais próximo era a casa de câmbio AFEX  no shopping Costanera Center. Corremos para trocar e conhecer o famoso edifício, que desde 2014 é o mais alto da América Latina com 300 metros de altura. Em agosto de 2015 o edifício abriu ao público o seu esperado mirante, o Sky Costanera, um mirante com vista de 360º da capital. O mirante funciona de segunda-feira a domingo, das 10h às 22h.

 

 

Após trocarmos o dinheiro, percebemos que o Chile não é tão barato quanto imaginávamos. Minha dica é trocar seu dinheirinho nas casas de câmbio da Rua Augustinas: além de ficar bem no centro, é possível encontrar as melhores cotações. Evite fazer as trocas de moedas nos shoppings, aeroportos ou lugares turísticos. Normalmente, as casas de câmbio na Agustinas funcionam de segunda à sexta-feira, das 09h às 18h. E aos sábados, das 10h às 14h. As lojas não têm porta de segurança e algumas são totalmente abertas, o que facilita a ação de malandros. Só faça negociações em casa de câmbio, não aceite ofertas que possam parecer tentadoras ou propostas para te levar a algum lugar para fazer o câmbio. Há grande repasse de notas falsas.

 

 

Eu peguei uma nota falsa de um taxista (tome cuidado) e uma garçonete muito gentil me ensinou alguns truques para não cairmos nesse tipo de golpe. Ao receber uma nota de peso chileno, mesmo que você não conheça o dinheiro, use o seu bom senso e análise a textura da nota, procure por marcas d’água e a faixa holográfica. É importante ressaltar que as notas originais de clp 1.000, clp 2.000, clp 5.000 têm textura plástica e as de clp 10.000 e clp 20.000 têm textura de papel. A de textura plástica é parecida com a nossa antiga nota de R$10. Então, amasse para saber se ela vai pular e voltar ao estado inicial. E outra coisa: elas não podem manchar ou soltar tinta.

 

 

DIA 2

 

 

Minha vontade era fazer um tour por todas as vinícolas chilenas, mas tinha pouco tempo e  dinheiro para tal. Sem dúvidas a mais requisitada e uma das mais visitadas é a Concha y Toro, tanto pelo fato dos seus vinhos serem muito apreciados no Brasil, quanto pelo fácil acesso para quem está passeando por Santiago.

 

 

Para economizar meus pesos chilenos e me sentir um verdadeiro habitué, dispensei guias e agências de turismo – descobri que é muito fácil ir por conta própria. Para isso, faça conexões e pegue a linha 4 (azul escuro) do Metrô de Santiago até a Estação Las Mercedes. Ao descer do trem, saia da estação, pegue a saída que diz “Concha y Toro Oriente”. Você vai sair em um ponto de ônibus em frente a um shopping com vários fast-food. Lá, pegue os Metrobus 73, 80 ou 81 para te deixar na porta da vinícola. O percurso inteiro dura entre 1h e 1h30. Existem dois tipos de tour na vinícola: Tradicional (com aproximadamente 1h de duração) e Marques de Casa Concha (de aproximadamente 1h30 de duração; o que difere em relação ao Tradicional é que no final há uma degustação dirigida por um sommelier).

 

 

O passeio começa pelos bosques e jardins da propriedade até chegar na antiga casa de verão da família Concha y Toro. Vale tirar muitas fotos, pois tem uma arquitetura linda. Não pode entrar no casarão, mas o pouco que se pode ver é muito interessante. Nos vinhedos o guia explica sobre as técnicas de cultivo e tipos de uva. Você ganha uma taça de recordação que vai te acompanhar durante o trajeto e degustação. Para fechar com chave de ouro, aqueles que optam pelo tour Marques de Casa Concha vão para uma sala com grandes vitrais e uma mesa posta para uma bela degustação de vinhos, tudo acompanhado de queijos selecionados e uma deliciosa harmonização. Eu, particularmente, adorei. 

 

 

 

 

Saindo do tour pela vinícola, fomos bater perna no centro. Andamos  por boa parte da Av. Libertador Bernardo O’Higgins, passando pela Palácio de La Moneda, sede da presidência chilena e onde não é possível chegar muito perto. É possível visitar (reservas antecipadas são necessárias) em dias alternados e assistir a solenidade da troca de guardas chilenos, que ocorre às 10h. mas sempre tem artistas e apresentações culturais. Em frente à praça, está a Catedral Metropolitana de Santiago, a obra cristã mais importante na cidade e o Museu Histórico Nacional, que não fui (mas dizem que a entrada é gratuita).

 

 

 

Continuamos a caminhar e chegamos ao Paseo Ahumada, um dos melhores lugares para fazer compras em Santiago. Tem várias lojas de marcas nacionais e internacionais onde é possível achar lembrancinhas e pechinchar com vendedores na rua. Seguimos para Plaza das Armas, famosa praça com muitos prédios históricos e diversas esculturas e monumentos. O contraste entre o velho e o novo chama a atenção de quem passa por lá.

 

 

 

 

 

A construção da Linha 3 do metrô de Santiago implicou no bloqueio do trânsito veicular pela rua Bandera desde o ano de 2013. Para dar vida ao local, um novo e colorido projeto temporário foi inaugurado e chamado de “Paseo Bandera”. Uma intervenção cultural ocupa o espaço com desenhos no chão, mobiliários, grafites, bicicletários e vegetação. Vale visitar!

 

 

Já com os pés cansados e com muita fome, fomos para o badalado Restaurante Giratório. Esse nome não é à toa, como o próprio nome sugere, ele gira em torno do seu eixo, para que os clientes tenham uma visão 360º da cidade e da Cordilheira dos Andes. Localizado no 18º andar do edifício com paredes em volta toda de vidro, é possível ter uma experiência incrível e uma vista linda. Eu reservei mesa para às 18h, assim conseguiríamos ver o pôr do sol. Fomos testemunhas de um fenômeno incrível com cores alaranjadas e lilás do sol se pondo em meio ao Andes.  Apesar de ser um restaurante de cozinha internacional, o destaque fica com os frutos do mar. As porções são gostosas, porém, pequenas. Vale conhecer pela experiência que proporciona!

 

 

 

DIA 3

 

 

O dia mais esperado da viagem: conhecer Cajón del Maipo!

 

Há diversas agências de turismo que realizam o passeio com guia e entrada para os pontos turísticos. Depois de pesquisar muito, contratei os serviços da Alfatur Chile e não me arrependo. Eles te pegam no hotel/apartamento, levam até o lugar, explicam tudo e ainda fazem um piquenique com queijos e vinhos. E o melhor, fogem da multidão para os clientes tirarem boas fotos.

 

 

 

 

 

Só tem uma parada até Cajón e não há comércio. Então, leve água e coisinhas para beliscar. Sobre Alfatur, dá para pagar 50% antes da viagem em Real e os outros 50% pagar em Pesos no dia do passeio. É possível tirar dúvidas pelo whatsapp +56 9 7490 9926 e saber de outros passeios também. Fale que foi indicação do OBOMDEVIAJAR.COM 

 

 

 

 

Para fazer esse passeio você vai precisar acordar cedo, bem cedo, já que o trajeto dura mais de 2h saindo de Santiago. Mas no percurso você vai perceber que vale a pena, tudo é encantador. No caminho tem montanhas, pequenos rios e um visual cinematográfico, principalmente quando o topo da cordilheira está branquinho com a neve. O Embalse del Yeso, uma lagoa de águas esverdeadas que se une as montanhas da Cordilheira dos Andes, parece cenário de conto de fadas. A água é limpa, potável e abastece a cidade de Santiago. O visual é surpreendente e nos revela umas das belezas naturais chilenas.

 

 

Cochilamos na volta do passeio e quando chegamos no apartamento ainda estava claro. Descansar? Que nada! Tinha muito para ser visto. Saímos para conhecer outra parte do centro. Caminhamos até o Museo Nacional de Bellas Artes, mais um requisitado ponto turístico de Santiago. Possui um grande patrimônio artístico e uma biblioteca especializada em artes visuais com aproximadamente 100.000 volumes. Fica em frente ao Parque Florestal, um lugar muito arborizado, onde pessoas com filhos e seus cachorros dividem o mesmo espaço para se divertir e relaxar em um fim de tarde.

 

 

Cruzamos o parque e encontramos o Bairro Lastarria. Lastarria tem uma atmosfera interessante, a começar por sua estética, com edifícios do século XIX preservados que remetem à Belle Époque. A vida artística é vibrante, com seus hotéis boutique, lojas, adegas de pequenos produtores, sebos, restaurantes, bares e espaços culturais. Paramos para tomar uma sangria no Victorino Bar + Restaurante para conversar, petiscar e admirar a movimentação da rua mais boêmia que havíamos descoberto. Como bom carioca, me senti na Lapa.

 

 

 

 

DIA 4

 

 

Nada como fazer um passeio por Paris ou Londres, né? Sim, em Santiago é quase que possível ter a impressão de ser “teletransportado” para a Europa, pois existe na região central o Bairro Paris-Londres, com todo estilo arquitetônico europeu e suas sinuosas ruas estreitas de paralelepípedo. Muitos deixam essa atração fora do roteiro, mas é um cantinho charmoso e sem dúvida merece uma visita.

 

 

Se tiver tempo, visite o Londres 38. É um espaço de memórias que mostra onde Pinochet torturava seus inimigos. É possível marcar visitas guiadas e conhecer um pouca da história da ditadura chilena, que é um pouco parecida com a nossa.

 

 

A poucas quadras, tem um pequeno parque urbano: Cerro Santa Lucia. Os principais atrativos são se afastar um pouco do caos urbano e curtir a tranquilidade bem no centro da cidade. Há muito para caminhar e ver, como o Castelo Hidalgo e as diversas estátuas que homenageiam as figuras indígenas e os colonizadores espanhóis. Para poder chegar no mirante que existe no topo do morro, é preciso ter equilíbrio e fôlego, pois você terá que subir várias escadas. O espaço é bem pequeno, mas tem uma vista total do centro da cidade.

 

 

 

 

Para fechar as atrações pelo centro, fomos almoçar no Mercado Central, que deu para ir caminhando. Em resumo, ele é divido entre o mercado de peixe e área de restaurantes. Não é bonito, mas é bem turístico e regional. Ao entrar você verá um praça com fontes de água e os restaurantes mais conhecidos: El Galeón, Donde Augusto e o  La Joya del Pacífico. Estávamos com um propósito, comer a famosa centolla, uma espécie de caranguejo gigante que é cultivada no sul do Chile. A comida não é muito barata. O famoso prato pode sair por até R$400,00. Tem gosto de caranguejo mesmo, a graça é ser bem grande.

 

 

 

 

Para digerir o almoço, fomos caminhando para o Patio Bellavista. Um grande shopping a céu aberto, com vários bares e restaurantes. Uma ótima pedida para ir durante à noite, principalmente durante os fins de semana.

 

 

 

Passamos a nossa última noite em Santiago por lá. Tinha música e um ambiente descontraído. Por lá você encontrará restaurantes que servem comida chilena, carnes, massas, restaurante de comida japonesa, casas especializadas em vinho, cervejarias e até opções mais populares. O local também fica perto de várias casas noturnas, caso você queira esticar para dançar. Se você estiver por lá na parte do dia, fica bem perto do Cerro San Cristóbal, perfeito para fazer trilha.

 

 

Se quiser chegar ao topo do Cerro, a maneira mais fácil é pegar o funicular, que sai do terminal na Calle Pio Nono. A viagem dura dez minutos e quem não tem medo de altura terá uma visão privilegiada de Santiago.

 

 

DIA 5

 

 

Lembra que a gente disse que a melhor época para quem quer curtir o frio e a neve em Santiago é entre junho e setembro? Para quem ama as temperaturas mais frias, tem um passeio que não pode ficar de fora do roteiro: conhecer o Valle Nevado Ski Resort Chile! O Valle Nevado é a maior estação de esqui da América do Sul, então pode ir se preparando para curtir muuuitas coisas bacanas.

 

 

 

 

A estação oferece aulas de esqui e snowboard para os aventureiros que desejam experimentar o esporte. Tem até aulas infantis, para crianças a partir de 4 anos! Lá também tem um restaurante bem aconchegante, o La Fourchette, com uma vista incrível para a Cordilheira dos Andes. E se você quiser curtir um bom vinho junto à lareira, dê um pulinho no bar Valle Lounge.

 

 

E o melhor: o Valle Nevado Ski Resort Chile e a Avianca Brasil formaram uma parceria incrível para a temporada de inverno 2018. De 22 de junho a 21 de setembro de 2018 (também conhecida como época ma-ra-vi-lho-sa), a estação de esqui vai oferecer descontos exclusivos para os clientes brasileiros que voarem pela Avianca com destino a Santiago. Demais, né?

 

 

Passagens aéreas voando Avianca para o Chile com preços imperdíveis, promo especial com a maior estação de esqui da América Latina e um roteiro completo pela capital chilena: tá esperando o quê para conhecer Santiago também? 

 

 

 

 

 

Post patrocinado por Avianca Brasil.